terça-feira, 6 de setembro de 2016

345 - A origem de Javé: o Deus de Israel e seu nome. Thomas Römer


Sinopse
Se o judaísmo e, em seguida, o cristianismo e o islã proclamam a unidade de um deus reinando sozinho, desde toda a eternidade, sobre o céu e a terra, a própria Bíblia Hebraica dá testemunho, para quem a lê com atenção, de suas raízes politeístas. De fato, o “deus de Abraão” ao qual se referem as três religiões do Livro, cada uma à sua maneira, não foi único desde sempre. Como é que um deus entre os outros se tornou Deus? Eis o enigma que este mergulho nas fontes do monoteísmo se propõe elucidar, percorrendo, ao longo de um milênio, as etapas de seu desenvolvimento. De onde vem esse deus e por que viés se revelou ele a “Israel”? Quais eram os seus atributos e qual era o seu nome antes de se tornar impronunciável? Quando chegou ele à situação de deus tutelar dos reinos de Israel e Judá? Sob que formas era venerado e representado? Por que decaíram as outras divindades, ao lado de quais ele reinava? No fim de que processo e em reação a quais acontecimentos se impôs o culto exclusivo que, progressivamente, lhe foi dado? À luz da crítica histórica, filológica e exegética, e das mais recentes descobertas da arqueologia e da epigrafia, Thomas Römer responde a essas questões com uma pesquisa rigorosa e apaixonante sobre os traços de uma divindade da tempestade e da guerra erigida, depois da “vitória” sobre as suas rivais, em deus único, universal e transcendente.

Introdução
Na paisagem religiosa da humanidade, o judaísmo é considerado a mais antiga religião monoteísta, professando que só existe um deus que é, ao mesmo tempo, o deus específico do povo de Israel e o deus de todo o universo. Essa ideia de um deus único difundiu-se, depois, no cristianismo e no islã, que a expressam cada um à sua maneira. Ao lermos as Bíblias judaica e cristãs,1 bem como o Corão, tem-se a impressão de que esse deus esteve sempre lá, pois é ele o criador do céu e da Terra. Mas, olhando mais de perto, encontramos textos que admitem a existência de outros deuses, como naquela história do conflito entre um tal de Jefté, chefe militar de uma tribo israelita, e Seon, rei dos vizinhos de Israel a leste, que foi relatada no livro dos Juízes. Para resolver o conflito territorial, Jefté utiliza um argumento teológico: “Não possuis o que Camos, teu deus, te fez possuir? E tudo o que o Senhor, nosso Deus, nos entregou em posse, não o possuiríamos nós?” (Jz 11,24). Aqui, o deus de Jefté é considerado como o deus tutelar de uma tribo ou de um povo, à semelhança de Quemós, o deus tutelar de Seon. Continuando a leitura da Bíblia hebraica,2 descobrimos outros textos curiosos. Os destinatários do Deuteronômio são, por exemplo, muitas vezes exortados a não seguir outros deuses, sem que a existência, ou seja, a realidade deles, seja negada. Assim, a Bíblia guarda traços da existência no Levante, até mesmo em Israel, de uma pluralidade de divindades e de que o Deus de Israel, cujo nome se pronunciava talvez Javé ou Yahou (questão que será abordada no primeiro capítulo), não era, de modo algum, o único deus a ser venerado pelos israelitas.

16X23
p. 256
Paulus




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger.../>