quinta-feira, 8 de setembro de 2016

346 - Gênesis 1: Projetos de Esperança. David Rubens




Milton afirma que o capítulo 1 de Gênesis é um texto de cunho teológico que tem por objetivo revelar Deus em uma linguagem poética, sem interesse histórico ou científico, uma espécie de confissão de fé. O texto é produto da elite de Judá e Jerusalém deportada para Babilônia em 597 e 586 a.C. Milton comenta que “gente deportada e desenraizada se expressa através de Gênesis 1”. A narrativa deixa transparecer o conflito religioso no contexto do exílio, revela o trabalho dos ex-sacerdotes no sentido de conservar a identidade dos judeus que corriam o risco de perder suas tradições e se converter ao sistema cultural babilônico. 
O exílio babilônico marcou a história de Israel em dois sentidos. Primeiro, foi uma catástrofe sócio-econômica, a elite, ou classe dirigente, foram os mais atingidos pela invasão babilônica. Segundo, reacendeu a vida religiosa do povo. Os deportados, sujeitos a trabalho forçado, reativaram as lembranças e encontraram nas tradições de fé de Israel força para manter acesa a esperança de vida.
Mais do que expor o assunto, Milton reler Gênesis 1 a partir de pessoas oprimidas que através da poesia tentavam reacender a chama da esperança, pessoas sofridas que encontravam forças nas lembranças e se achavam capazes até mesmo de desafiar os deuses babilônicos, pessoas roubadas que ainda a sim eram capazes de sonhar com a libertação.
Schwantes afirma que Gênesis 1 apesar de ter característica de narração, é seguramente poesia. As frases seguem um ritmo, trata-se de um poema solene com reflexões: “houve tarde e manhã”, (v. 5, 8, 13). O texto era usado em liturgia nas reuniões do povo. A poesia tinha por finalidade “esquentar o coração e facilitar o movimento dos pés”.

Bibliografia
GASS, Ildon Bohn (org.). Exílio babilônico e dominação persa. 2ª ed. São Leopoldo: CEBI; São Paulo: Paulus, 2005.
RAD, von Gerhard. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Aste; Targumim, 2006.
REIMER, Haroldo. Toda a Criação. São Paulo: Oikos, 2016.
SCHWANTES, Milton. Projetos de Esperança: Meditações sobre Gênesis 1-11.
São Paulo: Paulinas, 2009.
WESTERMANN, Claus. Fundamentos da Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Academia Cristã, 2005.
WOLFF, Hans Walter. Bíblia Antigo Testamento: Introdução aos escritos e aos métodos de estudo. São Paulo: Teológica; Paulus, 2003.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger.../>