sábado, 23 de julho de 2016

337 - Rolf Rendtorff, Leitura Canônica do Antigo Testamento


Rolf Rendtorff (10 de maio de 1925 - 01 de abril de 2014) foi Professor emérito de Antigo Testamento na Universidade de Heidelberg. Escreveu vários textos sobre as escrituras judaicas e foi notável ​​por sua contribuição para o debate sobre as origens do Pentateuco.
Rendtorff nasceu em Preetz Holstein, Alemanha. Estudou teologia (1945-1950) nas universidades de Kiel, Göttingen e Heidelberg. Empreendeu seus estudos de doutorado sob orientação de Gerhard von Rad (1950-1953).
Rendtorff publicou muitos trabalhos sobre temas do Antigo Testamento, mas ficou conhecido pelo notável livro de 1977, O problema da transmissão do Pentateuco. O livro foi um estudo sobre a questão da origem do Pentateuco (a questão de como os cinco primeiros livros da bíblia: Gênesis, Êxodo, Levítico, livro de Números e Deuteronômio - veio a ser escrito), e apareceu ao mesmo tempo que outros dois livros importantes, John Van Seters “Abraão história e Tradição” (1975), e Hans Heinrich Schmid “O chamado Yahwist (1976). Os três estudos, apareceram quase juntos, inaugurou uma discussão acalorada nos círculos acadêmicos sobre a validade do consenso então dominante sobre as origens do Pentateuco e a Hipótese documental.

A obra Antigo Testamento - uma introdução, de Rendtorff, vai ajudar a preencher uma lacuna na seleção de obras teológicas estrangeiras para o português. Isso porque esta obra está estruturada sobre uma nova concepção de pesquisa do antigo testamento, que começou a ganhar terreno no contexto da Europa e dos Estados Unidos e partir de meados da década de 1970. Trata-se do canonical aproach, isto é, do 'acesso canônico' aos textos antigo testamento. Diferente do que na pesquisa histórica - crítica tradicional europeia, esse acesso metodológico busca empunhar os textos a partir da versão final. No tratamento dos textos, isso significa que, em primeira linha, busca-se observar as estruturas composicionais de toda a obra do antigo Testamento, ou pelo menos de complexos composicionais mais abrangentes.

P. 505.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger.../>